22.5.15

Sulamérica

Lá Guerra, Lá Terra, Quimera, foi bela,
Lá Vinci, Yo Tengo, un tango en la era,
En mi suenos cantando en la primavera.
Tanto tempo que se passa, mas que desgraça!
Por que não posso mais sofrer pela minha raça!
E a vida que eu tenho já perdeu até a graça!
Sulámerica, Sulámerica, Sulámerica, Sulámerica.
Lá Guerra se foi, Lá Terra és nossa!
Quimera foi bela? “E não há mais quem possa!”
En mi suenos cantando en la primavera.
Lá Vinci, Yo Tengo, un tango en la era.
Sulamericano é cultura, maior do que corrupção e dança!
Não é carnaval e mulata. É uma Terra de abundância!
É uma Terra multimodal e racional que possui substância!
Sulámerica, Sulámerica, Sulámerica, Sulámerica.
Lá Guerra, En mi Terra, Quimera foi bela?
Nos campos, florestas, desertos e na serra,
En mi suenos cantando en la primavera.
Lá Vinci, Yo Tengo, un tango en la era,
O passe que passa, desgraça não espera.
Eu não como só feijão com arroz, eu como produto industrializado,
Aqui funciona celular, televisão e não é incivilizado,
Sulamericano é cultura, maior do que a violência!
Um povo que possui acima de tudo decência!
Apesar de tudo eu sou um sulamericano,
O meu sangue é brasileiro e batizado com africano!
O meu passado é maior e muito mais soberano,
Não tem haver com descobrimento, nem uma chegada por engano.

By: Ayke La’Reyl
Feito em 20 de Abril de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário