16.5.15

O Meu Defeito

O meu defeito nem existe em considerações técnicas,
Não possui denominação em um dicionário,
São energias pulsantes com cargas elétricas,
Que traduzem para o real o imaginário.
Por que para tudo se dá uma desculpa ou nome?
E se for só meu problema o que você irá dizer?
O meu defeito é só meu e me consome,
Não consigo designa-lo para escrever.
Eu poderia te dar entretenimento,
Um pouco de bebida e algo para ter fé.
Mas, estou lhe intrigando com o meu defeito,
O fazendo pensar e sacudir o seu pé.
Isso tudo é um sentimento? Isso tudo não faz sentido?
O meu defeito é maior do que você possui escondido.
Meu defeito não é defeito por que não é este o seu nome,
Eu escrevi sobre um mundo que me deu um sobrenome,
Aqui eu posso até ser Deus, uma aberração e super-homem,
Aqui as minhas tristezas vingam e as realidades somem.
O meu defeito? Aham! O meu defeito? Aha.
O meu defeito? Quem diria! Eu nunca irei lhe revelar.
Eu comi o meu defeito com leite no café,
Quer uma bebida? Uma magia, candomblé?
Não existe hipocrisia demais na sua boca?
Quer saber o meu defeito? Eu não quero coisa pouca!
Eu o quero só para mim, bem perto do encerramento,
O meu defeito é um vazio, uma aliança com o tempo,
É um ritmo cigano que me mostra um talento,
É uma magia negra que me prendeu em um encantamento.

By: Ayke La’Reyl
Feito em 15 de Abril de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário