10.5.15

Monstros e Demônios

Eu me descubro no escuro,
Em cima dos meus monstros e medos,
Estou a um passo do inseguro,
Embaixo e escondido guardando segredos.
O mundo de cima e o mundo de baixo,
Presos com uma fita de cetim amarela,
Talvez eu me vire e aí eu me encaixo,
Na esquina do mundo, em uma capela,
A capela do tempo, o pedaço da vida,
Que eu deixei a muito tempo enterrado,
Parti para um começo e busquei por uma saída,
Aos poucos eu fui me desligando do passado.
E é bom saber do que eu tenho medo,
Do que me traz incerteza e indecisão.
O melhor de tudo é que eu acordo cedo,
Cansei da madrugada e da total escuridão.
Mas eu me descubro no escuro,
Eu descubro as coisas com perspectiva,
E estou receptivo para um futuro,
De portas abertas, analisando uma alternativa:
“Eu quero ser aqui, para ser lá fora”.
“Eu quero ser aqui, para depois ir embora”.
“Eu quero fechar os olhos, quero abrir e enxergar!”
“Quero a minha convicção de que cheguei para ficar”,
“Eu quero a vida, quero o porém e o quando”,
“Quero continuar e viver, dar os passos já andando”,
Por que eu me descubro enquanto eu não cedo,
Em cima de um mundo que é monstruoso e dá medo,
Na vitória que anuncia um pouco de paz e conforto,
Sobre o que nem é real, sobre o que já foi morto.
Mas eu me descubro com meus monstros e meus demônios,
Os meus momentos quieto olhando para o nada,
Sentando no vazio em um show de material de sonhos,
Que me mostram a direção e a estrada.
Os monstros e os demônios, no escuro da minha alma,
Eu quero um pouco de paz, de saúde e de calma,
Quero um pouco do que eu vejo da minha janela,
Longe, bem longe, inserido na paisagem,
Para mim não existe coisa tão perfeita e tão bela,
Do que viver com meus temores bem longe desta imagem,
Deste pedaço de mundo selvagem,
Que me faz um pedaço de carne sem coragem,
Para abrir os meus olhos para o que é correto,
Para um mundo bem maior, bem mais intenso e secreto.
Eu me descubro no escuro, procurando a alternativa deste verso,
Mas apenas descubro os meus monstros e demônios, então me despeço.

By: Ayke La’Reyl
Feito em 02 de Abril de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário