19.6.18

N.(i/a.n).JA Gangstar

Como é para você conviver
Com o fato de que é uma compensação
E não uma recompensa?
Ninja Gangstar, na sentença
Pois sei onde você mora, e a cor dos seus olhos.
Olhos Sangrentos
Que tento buscar em traços mais claros
E menos densos,
Mais densos e mais escuros,
Mais azuis e mais seguros,
Mas não são os seus traços.
Queria costurar sobre o buraco do peito,
O punhado de existência + um momento,
Na soma de produtos não validados.

Como é para você tentar e tentar
Chegando até o dia de chorar e se sufocar
Pensando e não ser uma doença?
Naja Gangstar, sem ofensa
Não quero saber onde você mora, pois tenho meu cão.
Não existem olhos mais belos do que o do meu cão,
São esses que devo amar por sei lá quantos anos,
Sou daqueles que não nasceu para ter pomares,
Vendo o amor em todos os lugares
Em uma palheta degradê.
Este silêncio está muito alto, tem como abaixar?

Elx era livre para fluir e não sabia.
Ainda não tinha a capacidade dos rios,
De se movimentar para a imensidão do mar e continuar...
Continuar em movimento.
Como é conviver com este sentimento?
Ninja-Naja Gangstar, bebê.
Não existem olhos mais belos do que o do meu cão,
Ah não, isso não!
Tem o amor de todas as cores + um.

By: Vinicius Osterer
Feito em 19 de junho de 2018.

16.6.18

Sábado de AleLua


Sally querida, ficou sabendo?
Ele queimou os seios dela com um cigarro.
Deu três tiros pelas costas,
E a deixou morta dentro do meu carro.
Sally querida, ficou sabendo?
Ela dizia que caiu da escada,
Protegendo o animal que lhe batia!
Sally, mais uma amiga foi estuprada,
E para o estuprador nada acontecia.
Sabe Sally, não sei se é um crime hediondo,
Mas o amarrei e o acabei pondo,
No último sábado de AleLua de festa.
Sally, peço que guarde segredo,
Eu tramei tudo com medo,
E esse desabafo é o que me resta.
Queimei ele na fogueira, na Lua Rosa de Abril,
Cozinhei os restos no caldeirão, ninguém viu...
A lua desceu do céu e me deu a mão em uma roda,
Falou baixo no meu ouvido: “Amy, você é foda!”
Querida Sally, preciso de ajuda?
Peço que mantenha o silêncio de um Buda,
Porque aquele porco foi sacrificado.
Como foi o seu dia, querida Sally?
Os ipês amarelos daqui estão floridos!

By: Amy Waves
Feito em 23 de maio de 2018.

19.5.18

Canto da Bandida Maior

O que faremos agora? Disse ele, pobre coitado,
Para a bandida de um crime repugnante.
Pois venha até mim, filhx da puta derrotadx
Coloque o seu melhor sorriso e cante!
Já fui traída, já fui santa, hoje sou PUTA
Coloquei minha jaqueta militar para a luta,
Andei com meus saltos em um trilho de trem,
Garras venenosas, quem é que não tem?
O que faremos agora? Coitado, pois bem...

Na beira dos olhos masculinos,
Eu não podia entrar, dizia a placa,
“Você tem traços muito femininos,
E parece uma vagabunda ingrata!”
“Baixe a cabeça, não me retruque,
Fique de quatro que quero lhe usar,
Não fale com ele, por que ele está aqui?”
Você ainda quer ele? Vai ter que me recompensar!”
PIRANHA, DESGRAÇADA, MISERÁVEL, objeto.
Pegue seus sapatos e vá descarga abaixo como um dejeto.
Fragilidade? Coloque no seu terceiro olho do cu.
Na beira dos olhos masculinos,
Ele dizia respeitar o transviado,
Me jogou em qualquer canto e por um momento,
Me senti um filho da puta derrotado.
O que faremos agora?

O QUE FAREMOS AGORA?
Fala, fala, fala e nunca diz.

O que faremos agora?
O que faremos agora?
Arrume sua mala, não posso entrar é o que diz?

Na beira dos lábios masculinos,
Eu não podia ser uma palavra.
“Você é menina ou menino?”
“Sou uma piranha sem casa
Sou a porcaria da sua mãe, da sua vó,
Sou as flores de um nada”.
Então ele me disse:
“- Em formação, vá limpar a roupa,
Tem comida para se fazer, está ficando louca?
E essa louça toda na pia? E esse cabelo despenteado?
Quero a mulher que conheci, do meu lado!”
“Em formação?” Também gritei!
Como falar com um machista, eu não sei.
O que faremos agora? O que faremos agora?
Na beira dos lábios masculinos um canto de formação,
Com uma letra sem encanto, de partir o coração:

“Para a lésbica, faltou pica,
Para o gay, um murro bem dado.
E a trans? Não se identifica?
E o Bi? Assumiu que é viado?
Um, dois, um bom soldado.
Três, quatro, não chupa rola por lucidez.
Cinco, seis, quando vê um afeminado,
Sete, oito, executa ele de uma só vez.
Nove, dez. Nove, dez. Direita, volver!”

PIRANHA, DESGRAÇADA, MISERÁVEL, objeto.
Não percebe que é assim, e que assim é sempre certo?

O que faremos agora? Poesia é para poetas,
Não para afeminados que usam cuecas,
A revolução dentro do meu estojo de maquiagem.
Em formação? Pura bobagem!
O meu lugar é onde eu quero existir dentro do mundo.
Já fui traída, já fui santa e neste segundo,
Eu sou a PUTA, desgraçada que fala e fala e nunca diz nada,
Nove, dez. Direita, volver!
Eu vou entrar, e quero ver quem vai me deter!

By: Amy Waves.
Feito em 18 de maio de 2018.