25.9.17

Coração Escuro

Poesia para me sentir mais seguro.
                                  Liberta meu coração sem cores e escuro.
Um eclipse do sol tapando a visão,
Na Terra uma grande escuridão,
                     Nascendo das cinzas, renegando a razão,
                       Apaziguando a mentira do meu coração.
                             Um sopro...
                               E acendo a vela apagada.
Um sopro...
E coloco minha oferenda,
Uma rosa vermelha dentro da fenda
Que liga os mundos espirituais modernos.
Um eclipse total dos meus infernos,
Habitando o meu lado sombrio e escuro.
Poesia para me sentir seguro.

Perdido navegando no mar da incompreensão,
                        A fé que habita a minha solidão,
                       A boca ardida, o corpo apagado,
“Sei que pequei, eu sou o pecado!”
Três passos para longe de mim, sua miséria!

Um sopro...
Um sopro de escuro...
Me sinto seguro, eu quero seus braços.
Um sopro...
Um sopro...

                            Eu não sei o que estou fazendo.
Para baixo e para cima, o que está acontecendo?
Um sopro... Onde estou? Para onde vou?
Navegando dentro da injustiça raspada
Acabada, violada, eclipse não é nada,
Poesia amarrada
Vida cagada
                                                                       Eu quero gritar! Ah como eu quero!

Quero sentir menos, mas me descabelo
Porque você é a praga de um sol miserável
Um ser vagabundo, de fé violável
Detestável
               Um sopro...
                         Um sopro...
Mais um sopro e mando tudo para a merda!
Respiro. Respiro. Respiro. Estou vivo.
Quebrado.             Respiro..           Respiro...
Para onde fui?
Acendo mais uma vela apagada
         Em um sopro,
                              Um sopro,
                                              Eu sopro,
Não quero pensar mais em nada.
Respiro. Estou seguro.
Estou no escuro.
O coração foi violado.
Escurecido e mal amado.
Um sopro...
E não sou mais o que costumava ser.

                        Amar sem TEMER,
Quatro e meia da tarde de um eclipse de segunda,
                                              Poesia que une e que afunda
Com um sopro de nada além de nada.
                                                            Em nada.
                       Tirei o diabo no tarot da semana.

By: Vinicius Osterer
Feito em 21 de agosto de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário