3.4.17

Fragmentado

Meu pai daria um ótimo poeta, um ótimo arquiteto,
Minha mãe uma excelente designer de moda.
Para todos que partem de algum lugar,
E esperam serem amados em outro,
Isso não é ser imigrante, isso é ser nômade,
Podendo se aventurar por todos os cantos da Terra.
Mundo globalizado? Do que adianta com fronteiras fechadas,
Com pessoas que julgam para não serem julgadas,
Impondo o medo com seu poder?
Alguém ainda vai me deter?
Fragmentado.
E faço das suas palavras o meu grito de amor,
Pai poeta de um jovem às vezes promissor,
Que renega seu nome de batismo.
Fragmentado.
Fragmentado é aquele que fica,
Despedaçado é aquele que vai,
Poesia por poesia, esta é sua meu pai:

(Sorrisos Entre Lágrimas)

Sorrisos tristes, amargurados,
Sorria eu, em ver-te partir. Para talvez nunca mais voltar.
Entre lágrimas sentidas, ardentes de amor.
Havia sorrisos.
Sorria para não confessar que te amava
amava muito você, mas você não me amava.
O meu amor era impossível.
Impossível, pois só eu te amava, sorria para alguns,
chorava ao olhar para você.
Você foi:
Eu fiquei:
E comigo ficaram as lágrimas.
Os sorrisos tristes, as saudades, o amor, as amarguras
e as esperanças de te reencontrar.
Até um dia.
Saiba que o meu amor por você permanecerá.
(Ari André, 1986)

Mas e se for, que não seja agora,
Arrume a casa, deixe os filhos crescerem,
Por que tudo tem a sua hora,
Deixa as coisas simplesmente acontecerem.
Tome um gole de café passado,
Por que você está fragmentado,
Cheio de fases, faces e sentimentos,
Um homem de múltiplas vontades e talentos,
O que posso esperar de você?
Que você acorde e vá bater seu cartão ponto?
Voltar para casa, para onde é seu lar?
Dormir e ter que acordar,
Para bater o seu cartão ponto?

E se você ficar quando eu for embora,
Ou se você for e eu ficar,
Não terão lágrimas de amor, sorrisos tristes,
Terão vontades e alguns palpites,
Quem era esse poeta?
Meu pai, se esta vida fosse justa e certa!
Fragmentado. Todo em partes. Essa é a maravilha humana.
Fragmentaram minha fala para entrar no país.
Fragmentado como uma palavra aleatória,
Poesia é amarga e contraditória?
Fragmentos e resquícios de que eu fui despatriado,
Sem limites e fronteiras, sem um real significado,
Nós não somos um fragmento da criação do universo?
Todo em partes, como este pensamento que é imerso,
Dentro da sua ida, do seu deslocamento,
Deve haver uma saída contra o seu isolamento,
Dar de cara contra o muro, contra um país fechado,
O ser humano não tem amor, é um bicho compartilhado
Nas redes sociais que despedaçam as horas.
Fragmentado é aquele que fica,
Despedaçado é aquele que vai,
Poeta por poeta, pareço muito com o meu pai.
Fragmentado. Todo em partes.
Sorrindo para alguns, e chorando para outros.
A humanidade está perdendo o amor aos poucos.

By: Vinicius Osterer
Feito em 02 de Março de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário