13.11.16

Represa de Acúmulos

Banho frio de choque de realidade.
Deus abençoe a minha fossa, preciso me lavar.
Você está prestes a entrar na minha intimidade,
Toque meu corpo para mim poder despertar.
Queria poder ter dito mais,
Às vezes me faltam palavras sobre o que sinto.
Me masturbar pensando em você é paz,
E isso é meu, mas eu não minto.
Como você é tão perfeito?

Ponche de vinho, você não precisa chorar,
Ponche de frutas, com você é mais leve,
Caipira de melancia, você vai encontrar,
Bacardi gelado, você fica melhor alegre.
Vodca de sabor, também vou misturar...
Como você é tão perfeito?
Essa represa é sobre meus acúmulos!

Demônio! Demônio! Demônio!
Perdão senhor pelas vezes que chamei o demônio!
Eu acabei o usando como um pseudônimo,
Para esconder as minhas reais fraquezas.
Alma caiçara, vem se apossando de mim despido,
O lado escuro que nunca havia lhe esquecido,
Está dançando em roda para marcar território.

Com você seria perfeito?
A sua estrela de xerife no peito,
Você não sabe que fiquei no escuro chorando sem rumo.
Eu disse: “Ele gosta de você, veio até aqui,”
Eu só precisava lhe ver sorrir,
Mesmo que aquele sorriso não fosse meu no momento.

Banho frio para voltar a realidade,
Tem haver com minha lua em peixes desregrada,
Essa é a minha real identidade,
E eu só preciso beber e mais nada.
Então sai da minha frente...
Levantei da porta do banheiro. Halloween de merda.

By: Vinicius Osterer
Feito em 01 de Novembro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário