18.11.16

Agradecido

Eu não quero ser grande e nem pequeno.
Eu apenas quero ser um pouco mais eu.
Não quero mais ser póstumo, vou vivendo,
Não sou a biografia de alguém que morreu.
Quando vai acabar este constante ciclo de fases?

Deitado no chão do banheiro, com o chuveiro ligado,
Eu viro a poesia universal, o refrão que nasceu,
Com a cabeça cheia, olhos vermelhos e corpo molhado,
Não sou a biografia de alguém que morreu.
Eu preciso me poupar para os dias piores?

Eu tenho sede e quero água, tenho fome quero alimento,
Mas o que eu quero preencher aqui dentro?
Essa coisa toda que sempre não é assim tão pouca!

Andando pelas ruas da cidade, eu não posso ser o mesmo,
Os céus passam, a água passa por baixo da ponte.
Eu não sou único, mas sou diferente e não mais prevejo,
O quanto muda o contorno do meu horizonte.
Por que ficar remoendo coisas tão pequenas?

A imagem do espelho não mostra, o que eu guardo no peito,
Tento colocar um pouco mais de alento nos meus dias de cão.
Enfim eu aprendi a amar tudo o que eu tenho feito,
Nem sempre é bom reclamar tanto por antecipação.
E quando que paramos para agradecer pelo nada?

Somos a ingratidão. Só sabemos amar na saudade.
Não lidamos bem com a escuridão, depreciamos tanto a maldade.
Mas isso faz parte de toda a balança.

Exatamente pela metade. Nem mais e nem menos.
Nem tão grande para ser perfeito, nem tão pouco para ser ilusório.
Pelas coisas que nós nunca agradecemos,
E que fazem parte de tudo aquilo que sempre é tão notório.
Eu não estou aqui por acaso. Eu estou?

Quando vai acabar este constante ciclo de fases?

By: Vinicius Osterer
Feito em 12 de Novembro de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário