15.7.17

Spectrum

Você me machucou, estou ferido e agora?
Acabei virando o homem que esconde o rosto e chora,
Aquele mesmo ser humano recuado e fraco,
Sem o sorriso, o rosto fechado e sensato,
Que gosta de empregar a razão essencial de tudo.

Você foi a minha melhor invenção,
Não se ama uma idealização,
Estou apenas criando alguém para ser amado?
Até que ponto é criação o que foi publicado?
Talvez me amar seja mais complicado,
Por que sempre acabo sendo o padrão de mim mesmo.

Você foi a minha melhor estação,
Abrasadora como um calor de Agosto,
Eu lhe criei com outras cores no coração,
Sem pensar naquilo que era desgosto,
Fiquei com cores no rosto,
Por que sempre acabo com cores no espelho.

Você foi aquela coisa toda que eu amava,
Parava para escrever quando sabia que você detestava,
Eu tenho alguns dias em que não me dou bem com valores,
Quando carrego nos meus olhos todas as cores,
Todas as lembranças das senhoras e dos senhores,
Por que sempre volto a amar, e amar, depois amar.

E este spectrum brilhante que enxergo erguido,
Sem marcas que o deixam bem nascido,
Como alguém que ainda não viu outro século?
Ninguém nasce com um chifre único na testa,
Nem faz só aquilo que lhe convém e presta,
Só queremos viver e não ter dores,
Um arco-íris de amores,
E este spectrum do tempo?

Não precisa ser muita coisa para estar na esquina do meu coração,
Uma pitada de humor com outra dose de ilusão,
E fica pronto o negócio, lhe dou uma carona no que posso,
Mas não brinque com alguém que é armado,
Faço jogos psicológicos sem me sentir culpado,
Fácil para o amor e difícil para a guerra,
Melhor como aliado do que como inimigo sobre a Terra.
Também pudera, você foi a minha melhor invenção,
Hoje é apenas um spectrum de nada.

By: Vicenzo Vitchella
Feito em 25 de junho de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário