14.7.17

Revolução Subtropical

Para quando sentir dor,
Estarei aqui pensando em preenchê-la,
Com um pouco a mais de cor,
Eu gostaria sim de poder vê-la.
Mais cor, mesmo que você não queira,
Ainda é uma quinta-feira,
Mas há tempo desapeguei dos dias da semana.
Para quando levantar da cama,
Mais cor, mais cor e mais cor.

Para quando o sol for embora mais cedo,
Porque estamos no inverno neste hemisfério,
E para quando você não se arriscar e ter medo,
De colorir as suas fraquezas e todo mistério,
Mais cor, mesmo que seja difícil tê-la,
Mesmo que para baixo do trópico seja frio,
Eu gostaria sim de poder vê-la,
Chega de encenar o personagem sombrio.
Para quando estiver se sentindo sozinho,
Mais cor, mais cor e mais cor.

Você viu o que alguém fez com a sua vida?
Pegue ele, você não é uma agressão,
Nem a vítima para se sentir agredida,
Você é a cor que existe em seu coração,
É o punhado de cores que ele representa,
Revolução colorida da década de oitenta?
Revolução Subtropical da existência!
Não quero ser um tom sobre tom,
Não quero ser a peça complementar,
Quero a cor de destaque e não o marrom,
Sou o design e a peça que não vai se encaixar,
Porque não é fabricada com encaixes.
Triture tudo no processador,
Coloque uma pitada de amor,
E revolucione a sua hora do jantar,
Refeição balanceada é aquela colorida no prato,
Não precisa nem gostar ou ser mais exato,
Eu revolucionei com brócolis, cenouras e beterrabas.

Quando a cor petrifica igual a pedra,
E as letras se unem com qualquer merda,
Você entende que não é isolado que acontece,
Não é sobre sentar escrever e ver se desce,
Uma coisa que seja a saída dos seus piores dias de cão.
Para quando for equinócio ou solstício,
Quando não tiver término e nem início,
Para toda e qualquer tonalidade de uma canção.
Me abrace ou me beije, nesta oração,
Mais cor, mais cor e mais cor.

Me beije enquanto estou quente,
Porque sou muito mais gente,
Pipoca em mim o que foi dolorido,
Aquilo que não é digerido,
E acaba colorindo meu rosto e sorrindo,
Me beije enquanto puder me beijar,
Me ame quando puder me amar,
Me liberte para fora que eu faço acontecer,
Não preciso de muito para aparecer,
Por que esta revolução é um evento!
Correndo na direção oposta do vento,
Com todas as cores possíveis!

By: Vicenzo Vitchella
Feito em 24 e 25 de junho de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário