12.2.17

Phoenix

Peguei meu cavalo e fugi para o Deserto de Sonora,
Encontrei Phoenix, a cidade efervescente.
Depois de uma insolação, precisava ir embora,
Queria ser um americano mais diferente.
Não tenho visto no passaporte,
Fugi de um coiote atravessando a fronteira,
Perdido no Arizona, me deseje sorte,
A dois passos de fazer uma besteira.
Grand Canyon, suicídio,
O amor não está em voga.
South Mountain, um alívio,
Phoenix entrou na moda.
Com os espíritos Hohokam,
Encenando a minha arte dramática,
Na terra árida do Tio Sam,
The Desert Star, encenando na prática.
Eu não preciso sorrir e ser um personagem,
Eu posso não falar e odiar minha imagem,
Preciso cavalgar em terras forasteiras,
Cruzei inúmeras das fronteiras,
O plano está todo desregulado.
Meu subúrbio de iguais,
Deixei para trás meus pais,
Eu quero viver meu sonho americanizado.
Dentro de um deserto de matéria,
Acreditando na ostentação virtual,
Você quer alguma coisa séria?
Preciso destilar meu veneno mortal?
Como um velho lobo da montanha,
Eu acompanho a sua boca falando,
Os seus dedos que estão me ignorando,
Por que não tenho nada para agradar,
Perdi a noção do que posso lhe mostrar,
Nesta cena quente e desidratada, sem embalagem.
Embrulhe minha comida para viagem,
Estou com meu cavalo andando pelo deserto,
Phoenix está tão perto,
“The Desert Star” cansou de encenar.
Vim de longe, de um passado sem lei.
BANG. Me passe os seus doláres.

By: Vinicius Osterer
Feito em 29 de janeiro de 2017.

Nenhum comentário:

Postar um comentário