18.6.17

Talvez

Entendo agora o sofrimento,
Existe dor aí dentro,
E isso lhe machuca por hora.
Limpe o rosto, por que você chora?
O seu sorriso é um urso de pelúcia.
Entendo o sofrimento agora,
Estou vivendo tanto por lá fora,
O que estou fazendo aqui dentro?
Em queda livre por um momento.
Sorrir acaba sendo minha denúncia:
“Lá vai o garoto com fogo nos olhos!”

Não é sobre precisar de um tempo,
É sobre recalcular toda a memória.
Existe dor sim aí dentro,
Limpe o rosto, por que você chora?
Entre a cruz do divino e a cruz do diabo.
As horas passam, os dias se vão,
Estou decidido, talvez não tenha razão.
Meu lugar não é aqui.
Meu lugar não é aqui.
Entre sentir e não se sentir amado.

Meu lugar não é aqui.
Talvez nem exista um lugar para mim.
Talvez queira parecer o que não sou.
Te amo?
Talvez não ame mais...
Mas te quero?
Talvez não queira mais...
Talvez, talvez... Queria mas não posso!
Porque querer é suicídio,
E passei por você os meus dramas.
Te amo?
Como eu não lhe quero,
Não lhe quero como não gosto de frutas secas,
Não lhe quero na mesma proporção daquele livro,
Aquele que nunca cheguei a ler o final do enredo.
Te quero? Nem mesmo em segredo.
Amar-te é heroína, me alucina
Como eu te quero? Não eu nem quero.
Você não pode ser o homem tal,
Sem mal, eu lhe amo?
Eu lhe quero como um amigo.
Me trate com jeito,
Porque posso ser todo seu.

Talvez deixe de amar homens. São brutos e insensatos.
Passe a amar mulheres com todos os seus sobressaltos,
Mulher é amor, homem não me provou o contrário.
O único homem que amou morreu em um calvário.
Ser bi? É enxergar com duas cores,
Vivenciar pelos amores,
Ser alguma coisa a mais do que indecisão.
Isso não é o meu caráter, é minha opção.
E eu sei exatamente o que eu quero.
Como eu te quero? Não eu nem quero.
Não lhe quero como não gosto do verão,
E das minhas crises de cólicas da madrugada.
Porque querer é suicídio,
E passei por você os meus dramas.
Tentei lhe esquecer em algumas camas,
Mas pensei: o que estou fazendo aqui dentro?
Em queda livre por um momento.
“Esse garoto não me é estranho!”

Não é sobre precisar de um tempo,
É sobre recalcular toda a memória.
Existe dor sim aqui dentro,
Limpe o rosto, por que você chora?
Porque eu estou vivo até que se prove o contrário,
A ciência ainda não descobriu,
Mas existem pessoas mortas andando por aí,
Vivendo tanto por lá fora...

Meu lugar não é aqui.
Ajoelhei e pedi perdão.
Três vezes por semana eu pensei nesta oração.
Supliquei e rezei
Uma oração minha,
Que eu mesmo inventei
Ela assim dizia:
“Meu senhor protegei
Todos os meus afetos e desafetos também”.
“Lá vai o garoto com fogo nos olhos!”

By: Vicenzo Vitchella
Feito em 21 de Abril, 15, 18, 19, 21 e 26 de maio de 2017.

4 comentários:

  1. Olá, Vinicius, como está?
    Acho que é a primeira vez que vejo um texto teu produzido em vários dias... Como foi o processo? E conforme fui lendo, meu cérebro colocou (por conta própria) um instrumental pesado ao fundo e deu um ritmo legal as suas palavras.

    Bom domingo! 😙

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi... Estou um pouco gripado mas de resto estou bem hushuuhss Essa foi uma das minhas exceções, daquelas que precisamos de um tempo maior para digerir.
      Boa Semana!! :D :D

      Excluir
  2. Bem intensa deve ter sido essa experiência pra levar todo esse tempo a ser transcrita!

    Boa semana pra ti também ;)

    ResponderExcluir